CONHEÇA ESTA ZONA: as lojas, os serviços, os restaurantes, os imóveis à venda... (do lado direito), o que aqui se passa (nos posts)

.contacte-nos

.posts recentes

. Metro de Arroios - pára o...

. Universidade Intergeracio...

. Aromas e Temperos - Brasi...

. Os melhores pastéis de na...

. Livraria Leituria - Este...

. Espiral - programação

. Centro de yoga - Áshrama ...

. Aulas de guitarra, canto,...

. É uma cafetaria? Um resta...

. Uma breve história sobre ...

. Nova livraria na Rua D. E...

. Jardim Constantino e a te...

. Clube do Optimismo - Work...

. Câmara de Lisboa recusa-s...

. Assembleia Distrital de L...

. Equipa de rua inicia cont...

. Academia Sakura - yoga - ...

. Festas - tudo para

. Equillibrium Therapy Zen ...

. Biblioteca da Assembleia...

. Oeiras propõe que patrimó...

. Atividades para crianças

. Concerto| Espaço APAV & C...

. Aulas de guitarra clássic...

. Aulas Dança Oriental

. Espiral - entregas de eme...

. Loja Kombina - bicicletas...

. Padaria LOW-COST.COME abr...

. Nova loja de biquinis - F...

. Sacoor Bothers Outlet - s...

. Lojas de mobiliário - OO...

. Exposição na Assembleia D...

. Fábrica de Bolos - pela n...

. O Constantino do Jardim

. Aluguer de bicicletas - L...

. Aulas de Tai Chi e Chi Ku...

. Cinema no Saldanha Reside...

. WORKSHOPs

. Esquadra de Arroios vai f...

. Clube do Optimismo - Work...

.pesquisar

 
Domingo, 2 de Novembro de 2014

Câmara de Lisboa recusa-se a receber edifícios da Assembleia Distrital que não têm licença de utilização

Por

Nos três edifícios na freguesia de Arroios estão instaladas a PSP e a Direcção-Geral das Autarquias Locais, entre outras entidades.

A Câmara de Lisboa já aceitou receber, em regime de mobilidade, os trabalhadores da Assembleia Distrital Pedro Cunha
  • Os edifícios da Assembleia Distrital de Lisboa (ADL) na Rua José Estêvão, em Lisboa, estão há muitos anos em situação irregular por falta de licença de utilização. A câmara presidida por António Costa já se mostrou disponível para assumir a sua propriedade desde que haja uma prévia “regularização das situações prediais e matriciais”. O presidente da mesa da ADL respondeu que não está em condições de o fazer “por absoluta carência de recursos financeiros”.

Em causa estão os números 135, 135A e 137 daquela artéria, junto ao Jardim Constantino, na freguesia de Arroios. Segundo a directora dos serviços de Cultura da ADL, o primeiro desses edifícios está devoluto há mais de dois anos, enquanto que no segundo está instalada a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima.

Já no n.º 137, adianta Ermelinda Toscano, funcionam os Serviços de Cultura da ADL - “biblioteca, núcleo de investigação e sector editorial” - bem como o seu “arquivo distrital”. Mas também a PSP, uma instituição particular de solidariedade social (a Projecto de Saúde em Lisboa), a Direcção-Geral das Autarquias Locais e a Organização Internacional para as Migrações.

Acontece que todos esses imóveis foram, segundo uma informação interna da ADL, “construídos nos anos setenta do século passado segundo projectos então devidamente aprovados e licenciados mas o dono da obra não procedeu à entrega das ‘telas finais’ [representações gráficas exaustivas dos imóveis no final da sua construção] pelo que nenhum dos edifícios obteve a necessária ‘licença de utilização’”. Nesse mesmo documento diz-se que “apesar dessa ‘irregularidade processual’ os edifícios foram ocupados logo a seguir à sua inauguração”, tendo aí funcionado a Junta Distrital de Lisboa e mais tarde a Assembleia Distrital.

“Quando havia pisos que iam ficando desocupados eram imediatamente celebrados acordos com outros organismos públicos, em regime de cedência gratuita e/ou arrendamento. Sendo dispensável, naqueles actos, a apresentação da ‘licença de utilização’ este ‘lapso’ acabou por não ser corrigido... até ao presente”, descreve-se naquela informação, com data de Janeiro de 2013. “E agora”, conclui-se, “a inexistência da ‘licença de utilização’ impede a actualização dos registos prediais”, algo “indispensável” para a “realização de quaisquer actos de disposição desse património, como seja a venda e/ou arrendamento a particulares”.

Esta situação ganhou actualidade depois de ter sido aprovado, em Junho de 2014, o Regime Jurídico das Assembleias Distritais, que estipula que estas deixem de poder contrair despesas ou dívida e de poder deter património ou trabalhadores, prevendo-se a transferência dos seus activos, mas também dos seus passivos, para outras entidades públicas. A publicação desta lei foi a solução encontrada para que as assembleias distritais - cuja actividade os últimos governos foram esvaziando - mantenham a sua existência formal, uma vez que estão previstas na Constituição, mas deixem de ter funcionários e património sob a sua responsabilidade. 

Nesse sentido a ADL, que reune os presidentes de todas as câmaras e assembleias municipais do distrito, além de alguns representantes das freguesias, deliberou, em Setembro, que seja o município de Lisboa a entidade receptora da sua “Universalidade Jurídica Indivisível”, o que inclui os tais prédios na Rua José Estêvão.


A Câmara de Lisboa já declarou que “aceita receber, desde já, em regime de mobilidade, os trabalhadores que desejem transitar para esta autarquia”. A vereadora Graça Fonseca fez ainda saber que irá ser proposta aos órgãos municipais competentes “a aceitação do património predial localizado em Lisboa”, mas solicitou que até à data de transição “sejam efectuadas todas as operações necessárias à regularização das situações prediais e matriciais”.

“A manterem-se as condições financeiras actuais, não estamos em condições de poder satisfazer a exigência por vós requerida”, respondeu já o presidente da mesa da ADL, que pediu a Graça Fonseca que “se digne agendar uma reunião, o mais breve possível” para esclarecer esse e outros assuntos.

José Manuel Dias Custódio, que é o presidente da Assembleia Municipal da Lourinhã, anexou à sua missiva um documento, segundo o qual foi apresentado um orçamento no valor total de 158.975,28 euros para a “elaboração dos trabalhos necessários à obtenção da licença de utilização” dos edifícios em Arroios.

Numa visita ao local, o arquitecto contactado para o efeito constatou que houve “alterações” aos projectos que tinham sido aprovados, o que poderá levar à necessidade de apresentar à autarquia um processo de legalização e eventualmente de realizar obras, o que encareceria e tornaria mais demorado todo este processo.   

fonte: http://www.publico.pt/local/noticia/camara-de-lisboa-recusa-receber-predios-sem-licenca-de-utilizacao-da-assembleia-distrital-1674662

publicado por projardimconstantino às 23:21
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De jeniffer a 8 de Dezembro de 2014 às 02:07
Mt Bom !!!

Comentar post

.SOBRE A ZONA

.subscrever feeds