CONHEÇA ESTA ZONA: as lojas, os serviços, os restaurantes, os imóveis à venda... (do lado direito), o que aqui se passa (nos posts)

.contacte-nos

.posts recentes

. Metro de Arroios - pára o...

. Universidade Intergeracio...

. Aromas e Temperos - Brasi...

. Os melhores pastéis de na...

. Livraria Leituria - Este...

. Espiral - programação

. Centro de yoga - Áshrama ...

. Aulas de guitarra, canto,...

. É uma cafetaria? Um resta...

. Uma breve história sobre ...

. Nova livraria na Rua D. E...

. Jardim Constantino e a te...

. Clube do Optimismo - Work...

. Câmara de Lisboa recusa-s...

. Assembleia Distrital de L...

. Equipa de rua inicia cont...

. Academia Sakura - yoga - ...

. Festas - tudo para

. Equillibrium Therapy Zen ...

. Biblioteca da Assembleia...

. Oeiras propõe que patrimó...

. Atividades para crianças

. Concerto| Espaço APAV & C...

. Aulas de guitarra clássic...

. Aulas Dança Oriental

. Espiral - entregas de eme...

. Loja Kombina - bicicletas...

. Padaria LOW-COST.COME abr...

. Nova loja de biquinis - F...

. Sacoor Bothers Outlet - s...

. Lojas de mobiliário - OO...

. Exposição na Assembleia D...

. Fábrica de Bolos - pela n...

. O Constantino do Jardim

. Aluguer de bicicletas - L...

. Aulas de Tai Chi e Chi Ku...

. Cinema no Saldanha Reside...

. WORKSHOPs

. Esquadra de Arroios vai f...

. Clube do Optimismo - Work...

.pesquisar

 
Domingo, 15 de Julho de 2012

O Jardim visto por:

Jardim constantino

Jardim Constantino, Lisboa
E de repente, ao tomar uma cerveja no quiosque do Jardim Constantino em Lisboa, lembrei-me da "minha" Barcelona, e de um jardim parecido onde tomámos "cañas".
Lembrei-me que, em 2010, Barcelona me fez lembrar Lisboa: as andorinhas, as varandas floridas, o manjerico na mesa da sala, os barcos (o Mediterrâneo não é o Tejo, mas todas as cidades portuárias se parecem) e até uma certa nostalgia nas pessoas que conheci.
E agora, em Lisboa, regressa uma parte dessa Barcelona, neste fim de tarde ameno no jardim, os velhos na conversa, um grupo de jovens músicos a descansar, um grupo de imigrantes numa mesa, um transsexual brasileiro, um ou dois sem abrigo a deambular, os carros sempre a passar.
Depois, as mercearias abertas até tarde, com os expositores de frutas na rua, e incenso a perfumar o início de noite; empregados de café em conversa com clientes, uma loja com uma mulher a passar a ferro; na rua casais de velhotes, rapazes a passear os cães, adolescentes a comer gelados, empregados de loja atentos.
As mesmas árvores e a mesma estranha calma. Aliás, Lisboa pareceu-me, desta vez, estranhamente calma e as pessoas estranhamente delicadas.
Em muitas das pessoas com quem cruzei o olhar, ou que vi de passagem, senti algo de pungente, de trágico e ao mesmo tempo belo.
Como se se tornasse visível a imensa teia onde estamos todos entrelaçados, e os impossíveis equilíbrios que temos de experimentar para nos mantermos à tona num mundo que se afunda.
Apeteceu-me conhece-las, ou pelo menos conseguir fotografá-las naquele preciso instante em que toda a sua história se revela num olhar, num movimento, num gesto, num pensamento perceptível apenas aos mais atentos.

fonte: http://sabadodois.blogspot.pt/2012/05/jardim-constantino.html

< img src="http://pixel.quantserve.com/pixel/p-0dYLvhSGGqUWo.gif" style="display: none;" border="0" height="1" width="1" alt="Quantcast"/>
 
publicado por projardimconstantino às 22:58
link do post | comentar | favorito
|

.SOBRE A ZONA

.subscrever feeds