CONHEÇA ESTA ZONA: as lojas, os serviços, os restaurantes, os imóveis à venda... (do lado direito), o que aqui se passa (nos posts)

.contacte-nos

.posts recentes

. Metro de Arroios - pára o...

. Universidade Intergeracio...

. Aromas e Temperos - Brasi...

. Os melhores pastéis de na...

. Livraria Leituria - Este...

. Espiral - programação

. Centro de yoga - Áshrama ...

. Aulas de guitarra, canto,...

. É uma cafetaria? Um resta...

. Uma breve história sobre ...

. Nova livraria na Rua D. E...

. Jardim Constantino e a te...

. Clube do Optimismo - Work...

. Câmara de Lisboa recusa-s...

. Assembleia Distrital de L...

. Equipa de rua inicia cont...

. Academia Sakura - yoga - ...

. Festas - tudo para

. Equillibrium Therapy Zen ...

. Biblioteca da Assembleia...

. Oeiras propõe que patrimó...

. Atividades para crianças

. Concerto| Espaço APAV & C...

. Aulas de guitarra clássic...

. Aulas Dança Oriental

. Espiral - entregas de eme...

. Loja Kombina - bicicletas...

. Padaria LOW-COST.COME abr...

. Nova loja de biquinis - F...

. Sacoor Bothers Outlet - s...

. Lojas de mobiliário - OO...

. Exposição na Assembleia D...

. Fábrica de Bolos - pela n...

. O Constantino do Jardim

. Aluguer de bicicletas - L...

. Aulas de Tai Chi e Chi Ku...

. Cinema no Saldanha Reside...

. WORKSHOPs

. Esquadra de Arroios vai f...

. Clube do Optimismo - Work...

.pesquisar

 
Terça-feira, 15 de Novembro de 2011

Demolido o prédio mais estreito da Europa


Lisboa ficou mais pobre
in Público

Chamavam-lhe o prédio mais estreito da Europa. Fosse ou não fosse, era motivo de estranheza para quem passava na Rua Aquiles Monteverde, em Lisboa, junto ao Jardim Constantino, com o seu metro e sessenta de largura. Neste momento dele só resta já uma parede: está a ser demolido, porque a barriga que lhe foi crescendo na fachada, depois da morte de prédios contíguos, ameaçava deitá-lo ao chão.

"Era muito estreito à frente, mas depois alargava para trás", conta o presidente da Junta de Freguesia de S. Jorge de Arroios, João Taveira, que passou ali muito tempo quando era adolescente, no atelier de um artista com quem aprendeu azulejaria. "O edifício do lado é ao contrário: mais estreito atrás e mais largo à frente". Em tempos que já lá vão o terreno pertencia a dois irmãos desavindos. Como ambos queriam construir nele, a solução foi dividi-lo desta insólita forma.

Os actuais proprietários do prédio magrinho ainda pensaram que o Instituto do Património Arquitectónico o pudesse proteger, mas isso acabou por nunca acontecer. "Lamento este fim, porque se tratava de um caso único, pelo menos em Lisboa", diz João Taveira. "Podia ter havido esforços por parte da câmara ou do Estado para que fosse recuperado". A.H.

fonte: http://cidadanialx.blogspot.com/2011/11/esta-ser-demolido-aquele-que-dizem-ser.html


 

publicado por projardimconstantino às 21:36
link do post | comentar | favorito
|

.SOBRE A ZONA

.subscrever feeds